“Uma pessoa, não importa quem, foi assassinada por arruaceiros que se valem de manifestações a serem pacíficas”

A triste e injustificável morte do cinegrafista Santiago Andrade durante uma manifestação no Rio de Janeiro nos obriga novamente a refletir sobre a violência nesses atos – reflexão feita diversas vezes pelo ex-ministro José Dirceu no ano passado.

Manifestações são um livre exercício da vida democrática. São legítimas e não devem ser respondidas de maneira repressiva pela polícia – como fez a Polícia Militar paulista no ano passado, durante os atos de junho.

Tampouco podem as manifestações recorrer ao uso da violência para se impor. Ainda mais se tratando de um grupo com clara determinação de fazer o uso da violência como o principal motor das manifestações.

A respeito desse tema, sugerimos algumas leituras. Entre elas, o artigo de hoje de Janio de Freitas na Folha de S.Paulo. “O disparo do rojão foi muito esclarecedor da índole criminosa que muitos ainda negam ao ‘black bloc’, use ou não esse nome”, afirma o jornalista.

“Uma pessoa, não importa quem, foi assassinada por arruaceiros que se valem de manifestações a serem pacíficas. Violência tão claramente deliberada, que apaga toda dúvida remanescente sobre a necessidade de providências contra crimes a título de manifestações democráticas.”

Clique aqui para ler o artigo de Janio da íntegra

Também merece leitura o artigo de Paulo Moreira Leite sobre o episódio. “Num país onde ocorrem protestos dessa magnitude e com esta frequência, o esforço de nossos repórteres e fotógrafos tem traços de um  heroísmo que precisa ser respeitado e reverenciado. Mas é obvio que eles são levados a correr riscos indevidos.”

“Quem já fez coberturas em países conflagrados sabe que os jornalistas que enfrentam a violência prevista e previsível recebem treinamento especial, ganham equipamentos que garantem um mínimo de proteção a suas vidas e sua saúde”, acrescenta.

“Pense na morte de Santiago, encurvado, com uma camisa avermelhada. Nada tinha para proteger sua cabeça nem as partes vitais do corpo.”

Para Moreira Leite, “são cenas que expressam o descuido, o pouco caso, a falta de respeito pelos profissionais que ajudam a sociedade a manter-se informada. Mortos e feridos retratam a desimportância de quem deve trazer a notícia e ajudar os brasileiros a exercitar seu  direito a informação”.

Clique aqui para ler o artigo de Moreira Leite na íntegra

E também não podemos deixar de registrar a mensagem da presidenta Dilma Rousseff sobre a morte do cinegrafista:

“A morte cerebral do cinegrafista Santiago Andrade, anunciada hoje [segunda-feira], revolta e entristece. Não é admissível que os protestos democráticos sejam desvirtuados por quem não tem respeito por vidas humanas. A liberdade de manifestação é um princípio fundamental da democracia e jamais pode ser usada para matar, ferir, agredir e ameaçar vidas humanas, nem depredar patrimônio público ou privado. Determinei à PF que apoie, no que for necessário, as investigações para a aplicação da punição cabível.”

E a tocante e dolorosa carta da filha do cinegrafista Santiago Andrade, postada no facebook:

“Meu nome é Vanessa Andrade, tenho 29 anos e acabo de perder meu pai.

Quando decidi ser jornalista, aos 16, ele quase caiu duro. Disse que era profissão ingrata, salário baixo e muita ralação. Mas eu expliquei: vou usar seu sobrenome. Ele riu e disse: então pode!

Quando fiz minha primeira tatuagem, aos 15, achei que ele ia surtar. Mas ele olhou e disse: caramba, filha. Quero fazer também. E me deu de presente meu nome no antebraço.

Quando casei, ele ficou tão bêbado, que na hora de eu me despedir pra seguir em lua de mel, ele vomitava e me abraçava ao mesmo tempo.

Me ensinou muitos valores. A gente que vem de família humilde precisa provar duas vezes a que veio. Me deixou a vida toda em escola pública porque preferiu trabalhar mais para me pagar a faculdade. Ali o sonho dele se realizava. E o meu começava.

Esta noite eu passei no hospital me despedindo. Só eu e ele. Deitada em seu ombro, tivemos tempo de conversar sobre muitos assuntos, pedi perdão pelas minhas falhas e prometi seguir de cabeça erguida e cuidar da minha mãe e meus avós. Ele estava quentinho e sereno. Éramos só nós dois, pai e filha, na despedida mais linda que eu poderia ter. E ele também se despediu.

Sei que ele está bem. Claro que está. E eu sou a continuação da vida dele. Um dia meus futuros filhos saberão quem foi Santiago Andrade, o avô deles. Mas eu, somente eu, saberei o orgulho de ter o nome dele na minha identidade.

Obrigada, meu Deus. Porque tive a chance de amar e ser amada. Tive todas as alegrias e tristezas de pai e filha. Eu tive um pai. E ele teve uma filha.

Obrigada a todos. Ele também agradece.

Eu sou Vanessa Andrade, tenho 29 anos e os anjinhos do céu acabam de ganhar um pai.”

3 respostas
  1. Pepina
    Pepina says:

    Querem aplicar um GOLPE em Dilma. Todos os golpes são precedidos de uma campanha para impor um motivo, seja para defender a família, nos livrar do comunismo ou restabelecer a democracia. O atual motivo escolhido é parecido com o aplicado na Venezuela, restrições à liberdade de imprensa. Estão se esforçando bastante em dizer que o foguete de São João foi direcionado a propósito para atingir a imprensa. Ninguém conseguiria acertar um alvo com este tipo de foguete de trajetória errática, ainda mais colocado às pressas no solo sem uma base apropriada e precisa de lançamento.

    O ato foi criminoso, atingiria qualquer um na multidão, mas não foi proposital para atingir a imprensa. Cuidemos de rebater esta hipótese.

    Responder
  2. helio dias horvath
    helio dias horvath says:

    De repente, a vítima dos Black Boks é um cinegrafista de televisão. Vítima fatal, ao contrário daqueles que foram agredidos aqui e ali em todo o Brasil, por essas hordas de inspiração suspeita e possivelmente organizada a alguns milhares de quilometros de distância de nosso país. A decadência de certas potencias vai se dando ao som dos gritos dos desordeiros em todo o mundo. Mas deixemos bem claro um aspecto da situação. O estúpido assassinato de um trabalhador da comunicação não branqueia, de nenhuma maneira, a ação delinquencial dos meios de comunicação desde junho do ano passado, para não falar dos últimos anos, na estimulação desses criminosos, por meio dos editoriais peregrinos, dos comentários capciosos, das manchetes distorcidas e da repetição orquestrada dos argumentos febrís de sempre. Não, não os branqueia. Mas a morte do cinegrafista é a primeira que será celebrada por essa corja de hipócritas, ocultos sob os meios mais diversos, como a primeira vitória de seu atual combate à ordem pública.

    Responder
  3. Daureli Westphal
    Daureli Westphal says:

    CONCORDO COM O COMENTÁRIO ACIMA,FOI UMA FATALIDADE,
    SE BEM QUE NA VERDADE, FOI PARA ATINGIR ALGUÉM A DEUS DARÁ.
    OS CULPADOS TEM QUE SER PUNIDOS NO RIGOR DA LEI.
    ERA PREVISTO ESTE TIPO DE BARBÁRIE,MASCARADOS EM PROTESTOS?
    AGORA VAI MUDAR A LEI.
    QUERO VER O PESSOAL DOS DIREITOS HUMANOS, DEFENDENDO MASCARADOS,
    E ARRUACEIROS, QUANDO A POLÍCIA FOR AGIR COM RIGOR….

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>